Análise – Splatoon 3

Quando foi anunciado de surpresa num Nintendo Direct lá em Fevereiro de 2021, a continuação de Splatoon 2 deixou os jogadores apreensivos e questionando se um novo título do jogo de tiro de tinta era realmente necessário, uma vez que outros jogos ganharam expansões pagas ao longo do tempo para prolongar suas vidas e Splatoon parecia ser uma franquia perfeita para receber os já tão conhecidos passes de temporada.
Chegamos em Setembro de 2022 e, enfim Splatoon 3 está entre nós, e pelo menos do ponto de vista comercial, parece que a Nintendo estava certíssima em lançar a sequência como um jogo novo, visto que Splatoon 3 se tornou o maior lançamento de um jogo de Video Game da história do Japão com quase 3,5 milhões de cópias vendidas em apenas 3 dias. Mas e do ponto de vista do jogador? Vamos conferir abaixo.

História e Ambientação:

O jogo começa com a criação do seu personagem (chamado de Agent 3) e apresentação da nova área principal que fica numa enorme região desértica de Splatlands onde se situa a principal cidade chamada de Splatsville e  Inklings e Octolings convivem de forma pacífica.
Ao se encontrar com Cap’n Cuttlefish, um senhorzinho que fica numa entrada para o subterrâneo da cidade, nosso Agente fica sabendo que, quem acompanha a série sabe desde sempre, os Octarians mais uma vez aprontaram e estão colocando em risco todo o fornecimento de energia da região. Assim somos instruídos a irmos a procura do vilão DJ Octavio.
Eis que após a conclusão desta etapa, nosso Agente 3 conhece o que realmente está acontecendo quando é sugado para uma área ainda mais abaixo chamada de Alterna, uma região de neve onde o jogador precisa resgatar o velho Cuttlefish e por fim ao drama da população de Splatlands.

Jogabilidade e Modos de Jogo

Aos jogadores recorrentes da franquia, jogar Splatoon 3 não deve trazer muitos desafios com os controles e modos de jogo, pois desde o início da franquia a Nintendo vem fazendo um bom trabalho em fazer dos controles os mais intuitivos possíveis dentro da proposta do jogo e também deixar as opções sempre à mão do jogador com menus simples.
Já aos novatos, Splatoon é em essência uma franquia de batalhas multiplayer onde pontaria, agilidade e estratégia são importantes para vitória do seu time e se você não jogou nenhum jogo da série, Splatoon 3 traz uma curva de aprendizado bem balanceada, porém, o jogador precisará iniciar pela campanha single player, ou modo história que, no fim das contas, nada mais é que um grande tutorial das mecânicas da série. Então aqui vai uma dica, por mais vontade que o gamer tiver em já correr para as partidas multiplayer, curta um pouco a solidão do singleplayer e depois chegue com mais preparo nas batalhas.

Além do já mencionado modo história, seu forte são as partidas multiplayer online (para ter acesso ao modo é obrigatório ser assinante do Nintendo Switch Online).
Tudo fica centralizado em Splatsville que funciona como um grande Hub para acessar os modos de jogo, além das lojas de equipamentos e personalização.
Como o forte da franquia está no competitivo, Splatoon 3 conta com bastante variedade de armas, atributos e equipamentos para ajudar na estratégia e vão sendo liberados conforme se aumenta de nível e vai conquistando pontos.

Vários modos de jogo estão disponíveis para a diversão do jogador que pode jogar em salas com amigos ou desconhecidos mundo afora.

– Turf War: a tradicional batalha de tinta onde dois times de 4 jogadores cada competem para ver, ao final de 3 minutos, qual tipo conseguiu cobrir a maior parte da arena com sua tinta e é necessário jogar o modo até alcançar o nível 10 para então estar pronto para os outros modos;

– Anarchy Battle: partidas ranqueadas e adicionando Rank Points conforme o jogador progride.  Separadas por Open e Series, conta com quatro tipos de batalhas,

Splat Zones – o jogador deve pintar áreas demarcadas;
Tower Control – consiste em guiar a torre até a base do inimigo;
Rainmaker- levar o Rainmaker até o gol da base inimiga
Clam Blitz – vence a equipe que capturar e levar a maior quantidade de mexilhões na cesta do adversário

Salmon Run Next Wave: os jogadores competem contra ondas de inimigos. – Splatfest: grandes maratonas de partidas que acontecem de tempo em tempo em alguns finais de semana, juntando a comunidade de jogadores a batalhar escolhendo um dos lados e receberem suas recompensas ao final.

Gráfico, Sons e Desempenho

Splatoon 3 está ainda melhor que seu antecessor no quesito gráfico, percebe-se que a equipe não se acomodou em utilizar a base do jogo lá de 2017 e fez um bom trabalho otimizando os elementos para este novo capítulo, com tudo muito colorido e rico de detalhes que agradam bastante.
A trilha sonora e os efeitos são um capítulo a parte e divertem e criam a atmosfera ideal para curtir a jogatina sem enjoar, casando perfeitamente com a atmosfera do jogo.

O terceiro título da franquia também se destaca no desempenho, rodando liso tanto no modo portátil quanto no modo TV e pelo menos durante a análise, não foram percebidas oscilações no desempenho, deixando tudo muito fluido, porém, embora o desempenho das partidas serem satisfatório, não podemos falar o mesmo com a conexão, o tempo para encontrar partidas  e as constantes quedas de conexão entre uma partida e outra quebram um pouco a alegria das partidas, pois por muitas vezes somos obrigados a sair do jogo e entrar novamente para conseguir voltar para as partidas online (importante dizer que é um problema que está ocorrendo com várias pessoas) e que mesmo testando o jogo em conexões e horários diferentes o problema se repetia.

Curta um pouco da aventura que é Splatoon 3

Veredito

Splatoon 3 chegou com desconfianças por parte do público e da crítica, mas a contar pelo sucesso que fez na sua estréia, mostrou que o jogo chegou em boa hora e mesmo não tendo inovado em suas formas, trouxe novidades capazes de justificar um novo jogo, sem contar que, diferente de FIFAS e CODs, não se trata de um lançamento anual, sendo que entre Splatoon 2 e Splatoon 3 temos cinco anos de intervalo.  Junta-se o frescor de novas áreas, novas armas, novos movimentos e o modo single player mais robusto da franquia até então, Splatoon 3 chega já sendo considerado o melhor jogo da franquia, evoluindo no que funcionou e melhorando o que não agradava tanto. Uma pena que, para um jogo que tem como principal chamariz o multiplayer online, problemas de conexão tem sido constantes, além de sentir falta da localização em Português do Brasil que vieram em títulos mais recentes da Nintendo no Brasil. Fora isso, é um jogo completo, divertido e competente.

Nota: 9/10

Splatoon 3 já está disponível em todo o mundo para Nintendo Switch. Cópia gentilmente fornecida pela Nintendo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.